terça-feira, 30 de dezembro de 2008

A Crise da Aura na Fotografia:

estudo sobre os desdobramentos do texto de

Walter Benjamin, a obra de arte na era de sua
reprodutibilidade


© António Campos Leal in "Bordalo Com Alma"

http://www.bocc.ubi.pt/pag/paraiso-gustavo-crise-na-fotografia.pdf

Se fotografar pode para muitos servir para reter um conjunto de pós-memórias ligadas a um momento de satisfação ou mesmo de dor, ou pura e simplesmente de algo que visualizado servirá os diversos interesses a que o próprio está ligado. Já em outros casos o percurso que antecede a narração (ou a falta dela) terá um trajecto que suportará o momento decisório retentor desse instante.
Através do texto de Gustavo Paraiso a interrogação da "arte" permanecerá como estímulo da interrogação de nós mesmos. Fotógrafos.

sábado, 27 de setembro de 2008

Fotografia Erótica

Juliet and Margareth, 1948 - Man Ray

Fotografia Erótica - Célia Mello

http://www.fotografiacontemporanea.com.br/arquivos/artigos/3330112B/%7B9D5F6ED3-E0C0-4019-A79F-588F75A5ADCB%7D_pdf.pdf

Menos de meia-duzia de páginas para ler. Nele Célia Mello explana as suas ideias em torno de um tema com milhões de fotos e alguns milhares de textos já escritos.
Um tipo de fotografia, um género. Mas vendável e intensamente publicada, perde muita da sua representação estética no confronto com os "pensamentos ocultos" a que cada um se ligará, criador e observador percorrerão caminhos próximos na análise de uma imagem sem nunca se tocarem, tal e qual não (?) tocarão o objecto de representação.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Fotografia E Experiência Estética

Fotografia e experiência estética: a superação do efêmero no fotojornalismo contemporâneo
Ana Elyzabeth de Araujo Farache

http://repositorio.ufpe.br:8080/bitstream/handle/123456789/2898/arquivo1865_1.pdf?sequence=1&isAllowed=y

"A presente dissertação faz uma reflexão sobre a relação entre fotografia jornalística e experiência estética, partindo da análise de uma das imagens produzidas em 2004 durante o massacre em uma escola de Beslan, na Rússia, e distribuída mundialmente pela agência Reuters. Apoiada na minha própria experiência e na repercussão causada pela imagem em tantas outras pessoas, destaco que, em determinadas circunstâncias, a fotografia jornalística produz um sentido que extrapola os limites mais imediatos do racional. Assim, foram investigados e configurados elementos presentes na imagem fotográfica passíveis de estimular o espectador a uma experiência estética. Uma experiência que suplanta a rotineira e que é capaz de nos tirar do entorpecimento no qual nos encontramos, tão frequentemente, diante da proliferação e banalização midiática da imagem, verificável no contemporâneo. Nesse caminho, detive-me em conceitos como os de tragédia e catarse, nos estudos da estética, memória e imaginação, e, ainda, na reflexão sobre a perplexidade humana diante da morte. Persegui, então, nas diversas imagens selecionadas, as associações de elementos que intensificam a produção de um sentido que reverbera, mais intensamente, no nosso mundo interior."




Uma dissertação que desafia a nossa avaliação da vida e da morte e dessa forma da importância de alguma fotografia ou dos nossos próprios discursos em torno desta ou daquela fotografia. Dos nossos discursos perante a vida e a morte. A fotografia da "Mãe de Beslan" que tocou Ana Farache não é a minha escolhida, aqui fica a que eu escolhi. Os interessados encontrarão a fotografia referida por Ana Farache no contexto da sua dissertação.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Penso, logo existo

"Este workshop pretende demonstrar os princípios básicos da fotografia, que, ao contrário do que se pensa, têm alguns séculos de idade. Durante o workshop serão construídas as câmaras com simples caixas de cartão ou metal, e tinta, e as fotografias com elas tiradas serão reveladas num laboratório tradicional. As restrições deste tipo de fotografia transformam-se, com a experimentação, em infinitas possibilidades e os resultados são quase sempre surpreendentes."
in divulgação de "workshop" dedicado à fotografia "pinhole"

Pois é, para algumas mentes a fotografia tem alguns séculos. Na ânsia de atropelar conhecimentos ou ignorância confundem o conhecimento ou melhor dizendo "a busca do conhecimento" do que à luz diz respeito, com a fotografia. Em seguida surgem "workshops" "atlieres" "oficinas" em orientadores avalizados desorientam o conhecimento dos que afinal pagam o direito a aprender. Qualquer um dá início a uma actividade para que se julga habilitado e busca mais uns cobres no engodo dos incautos. Todo o mundo é hoje orientador e formador de fotógrafos, mas, hoje todos são fotógrafos. Hoje qualquer um pega na sua máquina digital último modelo e fotografa, fotografa, fotografa e tantas fotografias e todas tão boas. Quanto a pensar tal não vale a pena. Num momento em que pensar caminha para ser desnecessário e quiçá perigoso poderá ler-se em qualquer sítio da rede que fulano ou cicrano, fotógrafo iniciado recentemente tem no seu acervo a bonita soma de 20 000 (sim vinte mil fotografias) donde poderei concluir que a 9 frames/seg terá gasto pouco mais de 37 minutos da sua vida para tanto trabalho. Pois se não foi necessário pensar.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

A Fotografia Como Expressão do Conceito


A Fotografia como Expressão do Conceito
Arlindo Machado


A constante dúvida estimula a procura da Obra e nela o trabalho seguinte. Neste texto de Arlindo Machado percorremos a Dúvida em busca do Conceito. Existirá um conceito por detrás de cada fotografia.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

O Labirinto de Deus e do Diabo Sobre Fotografia


O Labirinto de Deus e do Diabo Sobre Fotografia

Luís Carmelo


"A fotografia enuncia o seu próprio relato. Plana, imóvel, granulada, manietada, espelho de si e receptáculo de ondas, a fotografia consegue, ao mesmo tempo, criar leis, apontar para mundos
concretos e praticar ou desafiar a semelhança, o verosímil. A fotografia cria um quadro, uma encenação, uma disposição ilusória onde o momento, de tão compactamente fragmentado, se desfaz numa miragem de infinitude. A fotografia estabelece a contiguidade entre o reino fantasmático do agora perdido e um qualquer além, ao sabor do arquétipo ancestral da imortalidade. Puro desengano. A fotografia é antes um brevíssimo rio de luz a contracenar
com o desejo, com o eros, com a maquinação do olhar inquieto.
" (Luís Carmelo in O Labirinto de Deus e do Diabo Sobre Fotografia)

domingo, 31 de agosto de 2008

BRANCO


Procuram-se textos teóricos, técnicos, poéticos, filosóficos, disparatados, tudo o que tenha a ver com a cor BRANCO.


Agradeço a colaboração.

sábado, 30 de agosto de 2008

A LINGUAGEM DA FOTOGRAFIA


Autor: Clovis Loureiro

A linguagem da fotografia é a linguagem do ver. Do visto. O que, afinal, um fotógrafo expressa é o seu modo de ver o mundo. E podemos ver com mais ou menos inteligência, com mais ou menos sensibilidade, com mais ou menos originalidade, mais ou menos espontaneidade.
Um pequeno mas interessante texto.

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Câmera Clara, um diálogo com Barthes



Câmera Clara, um diálogo com Barthes
Osvaldo Santos Lima
Universidade Federal do Paraná

Reler Barthes através de textos de terceiros pode abrir novas portas à interpretação do texto que à época foi digerido por muitos de nós.

Para reler A Câmara Clara
por Ronaldo Entler
sempre na busca do melhor entendimento de Barthes e da Fotografia. E do Homem.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

DOCUMENTÁRIO IMAGINÁRIO


DOCUMENTÁRIO IMAGINÁRIO
Novas potencialidades na fotografia documental
contemporânea

Kátia Hallak Lombardi
"num endereço perto de si"
O prazer de fazer uma viagem em velocidade de cruzeiro, por diferentes produtores de imagens fotográficas que constam dos arrumos da nossa memória. Uma análise cheia de pujança à fotografia, autores, símbolos, técnicas, discursos. A fotografia, arte e documento. Um trabalho de grande qualidade que todos os fotógrafos devem ler, para melhor entenderem a actividade a que se dedicam.
Aos professores de Fotografia, não percam
no endereço:

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Eugene Richards

E, se não conhece o trabalho deste autor visite:

http://www.eugenerichards.com/

http://www.shutterbug.net/features/1105eugene/

Eugene Richards - A Consagração do Tempo Fotográfico. Esboço Analítico.

Um trabalho da autoria de Luís Carlos Nogueira que nos ajuda a entender melhor o trabalho do fotógrafo em causa, mas mais ainda, a entender muito dos caminhos da própria fotografia.
Um trabalho que em quatro páginas favorecerá o exercício para a análise da própria fotografia.

Visitem o endereço

http://www.bocc.ubi.pt/pag/nogueira-luis-eugene-richards.pdf

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Estética versus Ética

E, para os interesados na análise a diferentes tipos de manipulação fotográfica e assim a mudanças na representação real do momento, visitem:
http://rising.blackstar.com/newspaper-not-on-the-ball-in-altered-photo-case.html

"The Art of Seeing"

"The Art of Seeing" livro da autoria de Aldous Huxley. A leitura das obras de Huxley serão talvez acessórias quanto à crítica fotográfica não serão dispensáveis quanto à formação do Homem e portanto ao Fotógrafo

http://pt.wikipedia.org/wiki/Aldous_Huxley

http://en.wikipedia.org/wiki/The_Art_of_Seeing

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Robert Capa - Lenda e Mito




As muitas histórias em torno do mito acabam muitas vezes enriquecidas pela realidade de um reencontro com a história real. O achado da "mala mexicana" do fotógrafo Robert Capa enriquece a história e a fotografia é sua parte integrante.




Robert Capa - 70 anos após a Guerra Civil



Para quem aprecie a interrogação sobre a certeza.




Onde uma fotografia estende a discussão da história por nove páginas da "Revista Hespañola de Historia Militar"

Olho, máquina e coração

Começamos com um texto muito interessante e que pode ser descarregado da "Biblioteca on-line de ciências da comunicação" da Universidade da Beira Interior.

Em quatro páginas de texto e num trajecto em que se serve da literatura e do cinema, a autora, Amália Creus vai dissecando algumas das razões sem razão porque fotografamos e decidimos que é esta a fotografia e não outra.


"Olho, máquina e coração"
Um estudo sobre as imagens fotográficas e sua relação com a memória e a
afetividade
Amalia Creus

http://www.bocc.ubi.pt/pag/creus-amalia-olho-maquina.pdf

Loucura Pessoal

Por vezes só a loucura nos pode levar a criar mais um espaço na rede, dirigido a quem tenha interesses comuns. São milhões os interesses que em rede são disponibilizados a quantos buscam elementos que coincidam com áreas pessoais de trabalho, pensamento ou mero divertimento. E, no que à Fotografia diz respeito perdemo-nos pela miríade de páginas disponibilizadas.
Assim, para facilitar o trajecto em direcção aos muitos textos teóricos que buscamos para apoio de aulas, textos jornalísticos, teses, ou mero enriquecimento pessoal, aqui vamos deixar ligações a muito desse material.
O apoio dos interessados será elemento base para um crescer de informação partilhada.
Fico à espera.